#ConteudoEinformacao

O ex-governador Anthony Garotinho recebeu alta do Hospital Quinta D’Or, na Quinta da Boa Vista, Zona Norte do Rio, na manhã desta terça (22) e deixou o hospital por volta das 9h em um carro descaracterizado da Polícia Federal. A prefeita de Campos e mulher do ex-governador, Rosinha Garotinho, acompanhou a saída do marido do hospital.

De acordo com a assessoria de imprensa do ex-governador, ele vai cumprir prisão domiciliar em seu apartamento no Flamengo, na Zona Sul da cidade, onde policiais permanecem de guarda. Ele estava internado no hospital Quinta D’Or desde a noite de sábado (19).

O advogado Fernando Fernandes disse que Garotinho está estável e se recuperando da cirurgia. Ele disse que a justiça não determinou o uso de tornozeleira eletrônica. “Ele está bem, estável, se recuperando de uma cirurgia. Ele quase morreu. Só pode receber parentes, advogados e médicos. Em 15 dias, ele vai ser submetido a uma avaliação médica”, disse o advogado.

Garotinho foi submetido a um do cateterismo no domingo (20). Ele disse que começou a sentir dores abdominais quando estava na Superintendência da Polícia Federal, na Praça Mauá, na quarta-feira (16), dia em que foi preso em casa pela PF na Operação Chequinho.

Ele é suspeito de usar o programa social Cheque Cidadão para comprar votos nas eleições de Campos dos Goytacazes, no Norte Fluminense. Segundo sua defesa, ele passou mal após a prisão e foi levado para o Hospital Souza Aguiar, no Centro. De lá, foi levado à força para a UPA de Bangu, após uma decisão judicial que determinava sua transferência para o Complexo penitenciário de Gericinó.

Outra decisão, porém, liberou o ex-governador para tratamento em hospital particular pago por seu próprio bolso, e, posteriormente, para prisão domiciliar. No domingo, Garotinho se recusou a ser examinado por uma equipe de médicos peritos do Ministério Público (MP).

Por meio de sua assessoria de imprensa, o MP informou que dois peritos do Grupo de Apoio Técnico Especializado (Gate) estiveram no hospital no domingo para avaliar o estado de saúde do governador. Diante da recusa por parte de Garotinho – e do aviso feito por policiais federais que ele, por decisão judicial, estaria incomunicável –, médicos do Gate chegaram à conclusão que o exame direto seria inadequado.

Mesmo assim, eles tiveram acesso à documentação médico-hospitalar do ex-governador. No parecer técnico, eles afirmam que “o governador estava respirando em ar ambiente, sem precordialgia, em boas condições clínicas e com os sinais vitais e todos os parâmetros dentro da normalidade”.