#ConteudoEinformacao

Professores da rede municipal de ensino de São Luís denunciaram que algumas escolas da capital liberaram os alunos, nesta sexta-feira (18), por falta de merenda. Em alguns centros de ensino houve drástica redução na quantidade do lanche, segundo os denunciantes. O problema seria um impasse entre as merendeiras e uma empresa terceirizada, situação que já está sendo resolvida, segunda a Prefeitura de São Luís.

As escolas que tiveram de liberar os alunos foram UEB Maria Amélia Profeta, (Coroadinho), a UEB Rubem Almeida (Bequimão), a UEB Professor João de Souza Guimarães (Sol e Mar) e o anexo da UEB Jornalista Neiva Moreira (Bequimão).

“Estas escolas estão todas com este problema e no Neiva Moreira [UEB que também fica no Bequimão] nesta semana foram servidos apenas pedaços de melancia. O pessoal que trabalha na cozinha tem dito que não tem mais nada para servir. Tenho a informação que várias outras escolas vão parar nos próximos dias se o problema não for resolvido”, disse uma professora que não quis se identificar por medo de represálias.

Segundo os denunciantes, o cardápio servido geralmente é composto por Arroz, com alguma proteína de acompanhamento, Banana, Mingal ou suco com biscoito. “Cada dia é uma dessas opções, mas nos últimos dias tem sido só um pedaço de fruta. E a informação é que não tem mais. Nem sei se teremos aula amanhã”, disse outra docente sem querer se identificar.

Estas aulas realizadas aos sábados estão sendo servindo para recompor a carga horária do ano letivo perdida durante o período de greve.

Posicionamento da Prefeitura

Segundo nota da Secretaria Municipal de Educação (Semed), a empresa responsável pela contratação das merendeiras já está resolvendo as questões trabalhistas. “A Secretaria Municipal de Educação (Semed) informa que as questões trabalhistas referentes às merendeiras estão sendo tratadas pela empresa responsável pelo serviço.”, diz trecho do comunicado.

Ainda segundo a Semed, mesmo com estes problemas não faltará merenda para os alunos. “A Secretaria esclarece ainda que o fornecimento da alimentação escolar nas escolas da rede municipal de ensino está garantido, com gêneros alimentícios adquiridos de agricultores locais”, garantiu.

Informações de O Estado do Maranhão.