#ConteudoEinformacao

O ex-governador Sérgio Cabral fez um pedido ao entrar na cela de 16 metros quadrados que vai ocupar por tempo indeterminado em Bangu 8: escolheu dormir na cama de baixo de um dos beliches. Ele passou a primeira noite na prisão na companhia de cinco velhos conhecidos e, segundo o Ministério Público Federal (MPF), integrantes do mesmo esquema de corrupção que desviou R$ 224 milhões dos cofres públicos. Estão no mesmo ambiente o ex-assessor Paulo Fernando Magalhães; os operadores Carlos Emanuel Miranda, o Carlinhos, e José Orlando Rabelo; o ex-secretário de Obras Hudson Braga; e Luiz Paulo Reis, apontado como laranja de Braga. Todos cumpriram o ritual de entrada no sistema carcerário e tiveram os cabelos raspados.

Para passar o tempo, Cabral optou pelo livro “Em nome de Deus: o fundamentalismo no judaísmo, no cristianismo e nos islamismo”, de Karen Armstrong. A obra, que analisa as origens do extremismo religioso nas três religiões, foi levada pelo ex-governador na mochila que carregou para o presídio. Até o início da tarde desta sexta-feira, ele ainda não havia recebido visitas. A cela tem ainda um chuveiro, uma pia e um dispositivo sanitário no chão.