#ConteudoEinformacao

Atletas que subiram ao pódio durante a Olimpíada Rio-2016 se decepcionaram poucas semanas após os Jogos ao constatar que suas medalhas começaram a ”descascar”, perdendo a película de tinta que as cobriam.

wp-1476403787261.png

Medalhistas relataram o problema ao blog e encaminharam fotos das suas medalhas. A cor da medalha não importou, já que as coberturas de ouro, prata e bronze descascaram.

Um medalhista se mostrou chateado.

Outra, apesar de insatisfeita, afirmou que não pretende pedir para trocar, por motivos sentimentais.

A amigos e pessoas próximas que a aconselharam a pedir uma medalha nova porque a sua já estava ”zoada”, argumentou que foi aquela a medalha que recebeu no pódio e que tem as ”marcas de guerra”, pois esteve em contato direto com seu suor e lágrimas durante a Rio-2016.

O Comitê Rio-2016, ao ser questionado sobre o assunto, explicou que isso se deve ao mau uso e excessos cometidos com as medalhas. Deixá-las cair no chão ou pendurar três medalhas no pescoço de uma só vez, o que favorece uma situação em que uma fica raspando na outra, podem provocar danos, adverte.

O comitê explicou que há três opções para o atleta cuja medalha descascou ou apresentou algum outro problema, como amassados. Ele pode ficar com a medalha como está, pedir uma nova, ou verificar se a Casa da Moeda, que as cunhou, pode realizar reparos.

No caso de querer reparar ou trocar a medalha, o atleta tem que acionar sua confederação, que deverá entrar em contato com o COB (Comitê Olímpico do Brasil), que por sua vez levará o caso ao Comitê Rio-2016, que por fim encaminhará a medalha para a Casa da Moeda.

Segundo o Comitê Rio-2016, menos de 3% do número total de medalhas distribuídas (2.700) foram devolvidos, eliminando a necessidade de um recall total.

Do Uol.