#ConteudoEolimpiadas

O histórico brasileiro de multimedalhistas olímpicos é escasso. Ainda que tenha começado bem, com os atiradores Guilherme Paraense e Afrânio da Costa ganhando duas medalhas, cada, no idos de 1920, em Antuérpia. Depois, o país esperou 76 anos até que um representante repetisse o feito nos Jogos Olímpicos, com o nadador Gustavo Borges. Cielo, também da natação, fez o mesmo em Beijing. Sempre com duas medalhas. Parecia cabalístico. Até surgir Isaquias Queiroz, em 2016, numa modalidade sem resultados até então.

Na canoagem, o baiano de Ubaiataba foi ao pódio nas três provas que disputou na Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul do Rio de Janeiro. Começou com a prata no C1 1.000m. Seguiu com um bronze emocionante no C1 200m, quando “empurrou” a canoa a centímetros da linha de chegada. Por fim, em parceria com Erlon de Souza, remou na C2 1.000m e ganhou mais uma prata. Recorde.

Além de se tornar o primeiro atleta brasileiro com três medalhas em uma mesma Olimpíada, logo como estreante, Isaquias já é um dos 15 maiores medalhistas do país somando todas as participações. Até então, apenas nomes da vela, vôlei, natação e hipismo. Tendo iniciado a prática da modalidade em 2005, o canoísta tem apenas 22 anos, com a perspectiva de evolução técnica e física para até dois ciclos olímpicos, em 2020 e 2024. Caminho aberto para ser o maior medalhista do país em todos os tempos? Parece bem plausível…

Eis os maiores multimedalhistas olímpicos do Brasil:

Em uma Olimpíada

3 – Isaquias Queiroz (2016, canoagem), 2 pratas e 1 bronze

2 – Guilherme Paraense (1920, tiro), 1 ouro e 1 bronze

2 – César Cielo (2008, natação), 1 ouro e 1 bronze

2 – Afrânio da Costa (1920, tiro), 1 prata e 1 bronze

2 – Gustavo Borges (1996, natação), 1 prata e 1 bronze
Somando todas Olimpíadas*

5 – Robert Scheidt (vela), 2 ouros, 2 pratas e 1 bronze

5 – Torben Grael (vela), 2 ouros, 1 prata e 2 bronzes

4 – Serginho (vôlei), 2 ouros e 2 pratas

4 – Gustavo Borges (natação), 2 pratas e 2 bronzes

3 – Marcelo Ferreira (vela), 2 ouros e 1 bronze

3 – Dante (vôlei), 1 ouro e 2 pratas

3 – Giba (vôlei), 1 ouro e 2 pratas

3 – Rodrigão (vôlei), 1 ouro e 2 pratas

3 – Bruno (vôlei), 1 ouro e 2 pratas

3 – Ricardo (vôlei de praia), 1 ouro, 1 prata e 1 bronze

3 – Emanuel (vôlei de praia), 1 ouro, 1 prata e 1 bronze

3 – Rodrigo Pessoa (hipismo), 1 ouro e 2 bronzes

3 – Fofão (vôlei feminino), 1 ouro e 2 bronzes

3 – César Cielo (natação), 1 ouro e 2 bronzes

3 – Isaquias Queiroz (canoagem), 2 pratas e 1 bronze

* Atualizado após a edição do Rio