#ConteudoEolimpiadas

Detido sob acusação de estupro na última segunda-feira (8), o pugilista Jonas Junias, da Namíbia, deverá lutar normalmente nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O atleta, que estava recluso em um presídio de Bangu, conseguiu habeas corpus na última quarta-feira e está liberado para combater o francês Hassan Amzlie nesta quinta-feira (11), às 18 horas (de Brasília), no Pavilhão 6 do Riocentro.

Jonas Junias, inclusive, esteve presente normalmente na pesagem oficial, realizada nesta manhã, segundo o site GloboEsporte.com. Com 22 anos, o atleta foi o porta-bandeira da Namíbia na cerimônia de abertura do Rio 2016, na sexta-feira passada.

O namíbio foi preso no último dia 8 acusado de estuprar uma camareira que trabalha na Vila Olímpica. De acordo com ela, Junias teria tentado beijá-la antes de oferecer dinheiro para ter relações sexuais com a funcionária, que deixou as dependências do local para fazer a denúncia na delegacia.

O Código Penal brasileiro configura como crime de estupro a tentativa forçada do autor sobre a vítima a ter conjugação carnal, praticar ato libidinoso ou obrigar a vítima a permitir que se pratique ato sexual com ela. Sendo assim, o ato libidinoso praticado sem consentimento é considerado estupro.

Ao ser detido, Jonas Junias foi encaminhado para a 42ªDP do Recreio dos Bandeirantes, próximo da Vila Olímpica. Em seguida, foi levado ao Complexo Penitenciário de Bangu.

Este foi o segundo caso de um boxeador acusado de estupro no Rio 2016. O marroquinho Hassan Sada foi preso pelo mesmo motivo, vitimando possivelmente duas camareiras. Assim como Jonas, ele também obteve habeas corpus, porém a liberação não veio a tempo e o pugilista acabou perdendo por W.O. após não comparecer à pesagem oficial antes da luta.