#ConteudoEolimpiadas

Foi um show. Um desfile de bom futebol. A Seleção feminina do Brasil não tomou conhecimento e venceu a Suécia com um acachapante 5 a 1, na noite deste sábado, no Estádio Olímpico Nilton Santos, e, de quebra, garantiu a classificação às quartas de final do torneio olímpico de futebol da Rio-2016.
Foi um passeio e um até logo para a torcida carioca, já que o Brasil disputará o terceiro jogo do Grupo E em Manaus, contra a África do Sul, já eliminada. A Seleção Brasileira chegou a seis pontos, enquanto a Suécia ficou com três.

As meninas do Brasil fizeram um primeiro tempo de almanaque, com três gols na etapa inicial. Mas antes de a bola balançar as redes, o jogo até que ficou equilibrado e a Suécia também teve chances. A goleira Bárbara fez uma defesa fundamental para que a seleção feminina anfitriã não saísse em desvantagem.

Mas a tensão até o primeiro gol durou 21 minutos. E depois de um lançamento lá da zaga, Beatriz foi mais esperta que a zagueira Berglund. A sueca protegeu mal e a brasileira se antecipou, tocando na saída da goleira.

A Suécia sentiu o golpe. E coube a artilheira Cristiane aumentar a vantagem no placar. Com requintes de muita crueldade. Um toque de classe, de letra, após cruzamento de Marta, escrevendo a história no torneio olímpico de futebol. Agora, Cristiane, com 14 gols, é maior artilheira em Olimpíadas tanto no masculino quanto no feminino.

A própria Cristiane caiu na área, quase no fim do primeiro tempo. Pênalti que a capitã Marta – que antes já tinha ouvido várias vezes o grito vindo da arquibancada de que “é melhor que Neymar – converteu.

Mas nem tudo foram flores no Engenhão. Cristiane sentiu a coxa direita e deixou a partida aos 20 minutos do segundo tempo, dando lugar a Debinha.

Como construiu vantagem tranquila no primeiro tempo, o Brasil teve mais paciência para atacar. Mas quem disse que Marta estava satisfeita? A craque protagonizou lances de efeito, dribles que encantaram o torcedor. Até que mais um gol veio, aos 35 minutos. Ela “tabelou” com a zagueira sueca e fez o quarto da Seleção Brasileira.

Ainda deu tempo de um toque de classe, uma finalização precisa de Beatriz, gerar o quinto gol da Seleção Brasileira, classificada com louvor na primeira fase.

E a Suécia? Fez um gol de honra aos 44 minutos do segundo tempo com Schelin. Foi só uma “cerveja que caiu no chão” na festa brasileira. Fim de papo.

BRASIL 5 X 1 SUÉCIA