#ConteudoEinformacao

Os pais do feto que sumiu no fim do mês de julho deste ano do Hospital Materno Infantil, em São Luís, prestaram depoimento nesta terça-feira (02) na sede da Polícia Federal, situado no bairro Cohama, na capital. Os policiais investigam o que aconteceu com o bebê do casal no hospital há 10 dias.
O feto que nasceu morto desapareceu da câmara fria do Hospital Materno Infantil. A direção do hospital admitiu a possibilidade do feto ter sido incinerado, como acontece com corpos que não são reclamados pela família. Segundo a direção do hospital, é possível que outros dois fetos também tenham sido queimados por engano.
Nos próximos dias a Polícia Federal irá convocar os representantes do hospital para prestar depoimento. O objetivo dos investigadores é saber se houve responsabilidade criminal de funcionários do Materno Infantil neste caso.

O Ministério Público Federal (MPF), que também investiga o caso, deu um prazo de 10 dias úteis ao hospital para se pronunciar sobre o caso.
Os pais do feto ainda estão inconformados com o que aconteceu. O técnico em informática e pai do feto, Acsuel Pereira da Silva, lamenta não ter enterrado o bebê. “Aconteceu o que aconteceu de uma forma tão trágica que a nossa filha é como se fosse um bicho jogado. A gente não teve aquele sentimento, pelo menos, para enterrar”, finalizou.
Por meio de nota, o Hospital Universitário da Ufma disse que desde o início tomou a iniciativa pra elucidação do caso e que lamenta o ocorrido. A instituição disse ainda que está à disposição das famílias, da Polícia Federal e do Ministério Público Federal para que o caso seja solucionado o mais breve possível.